quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Jairo Luis Brod e os dicionários

Eis mais uma dica de português do ilustríssimo professor Jairo, reproduzida do site da Câmara dos Deputados.

Notícias da Casa
 Atualizado em 09/10/2014 às 14:58
Pílulas de Língua Portuguesa 22
Dicionários de Língua Portuguesa 3 – O Houaiss, o Aulete, o Volp...
Por Jairo Luis Brod

Sem mais lero-lero, finalizo a descrição de alguns dos principais dicionários de Língua Portuguesa. Antes, porém, convém esclarecer o significado de dois termos léxico-bibliográficos que ali aparecerão – verbete e entrada.

Verbete é o conjunto de acepções (definições), exemplos, abonações (citações), achegas (contribuições) contidos numa entrada de dicionário, enciclopédia ou glossário. Entrada é uma unidade significativa (palavra, locução, frase, afixo, abreviatura ou símbolo) que abre um verbete. Exemplo: Beleza. Substantivo feminino. 1. Qualidade de belo. 2. Pessoa bela. 3. Coisa bela, muito agradável, ou muito gostosa: A festa foi uma beleza; Que beleza, este bolo! Cansar a beleza de. 1. Fam. Amolar.

 Nesse modelo, "beleza" é a entrada, também chamada de unidade lexical ou cabeça de verbete. Verbete é o conjunto das definições, dos exemplos e da locução iniciado por "beleza" e finalizado por "amolar".

 Houaiss

 Lançado em setembro de 2001, logo foi eleito "o mais completo dicionário brasileiro" pela revista Época, considerado "imbatível" pela Veja e consagrado como o grande lançamento editorial de 2001 pelo Caderno B e pela Revista de Domingo, do Jornal do Brasil, assim como pelos jornais O Globo, Estado de Minas e Jornal da Tarde. O Dicionário Houaiss traz cerca de 228.500 verbetes, recordista sem rival no mercado editorial brasileiro. Em termos de comparação, o Aurélio abriga cerca de 160.000 verbetes; o Michaelis, pouco mais de 200.000 verbetes. O bom do Houaiss, entre outros predicados, é a datação e a etimologia das entradas. Exemplo: Fobia. Datação (primeira ocorrência da palavra): 1890. Etimologia: do grego phobos (ação de horrorizar, amedrontar, dar medo). 

Michaelis

 Bom dicionário, com definições sucintas e precisas. O legal dele, também, é que o dicionário em Português integra um combo do qual fazem parte dicionários de Língua Estrangeira – inglês, francês, espanhol e italiano. Para melhorar, faltaria apenas uma maior abertura para aceitar palavras de uso popular e familiar.

 Aulete

 Dicionário equivalente ao Michaelis, com uma pegada voltada para o Português dalém Atlântico. Relvado, por exemplo, significa, lá na Terrinha, campo de futebol.

 Sacconi

 O trocadilho é inevitável: é o mais sacana dos dicionários de Língua Portuguesa. Aliás, ele não tem apenas a função "dicionário", mas também a de enciclopédia. Um dicionário enciclopédico, portanto, de vez que abrange não só a definição de vocábulos, como inclui também biografias e a sumarização de assuntos para pesquisas escolares. Mas eu dizia que o Sacconi é "sacana". Sacana não no sentido de patife, devasso, espertalhão, mas no de brincalhão, gozador, trocista. Nessa linha, olhem aí o que diz o sacana do Sacconi em seus sarcásticos comentários sobre o biquíni: Maiô feminino cavado, de duas peças. Até aí nada de mais. Mais adiante, porém, o trem desencarrilha: "...o Papa PIO XII proibiu terminantemente as católicas de vestir traje tão pecaminoso. Aos poucos, porém, as duas peças foram minando as resistências, desbancaram o maiô, e o umbigo, finalmente, pôde também respirar aliviado em praias e piscinas do mundo inteiro". Em suma, é um dicionário-enciclopédia bem-humorado. E cabotino. Cabotino? Sim, o autor é presumido, pretensioso e autorreferente. Aurélio? Cheio de erros. Houaiss? Linguagem ininteligível. Sacconi? Veio para ficar, sem erros, verdadeiro padrão Fifa. Só faltou reivindicar para que seja em breve – ainda que só na obra dele – sinônimo de dicionário. É por essas que a primazia da honraria, com inteira justiça, cabe apenas ao Aurélio. Que foi grande dentro e fora de seu dicionário. Grande no conhecimento e imenso na humildade.

 Unesp

 Dicionário da Universidade Estadual de São Paulo - câmpus de Araraquara, organizado pelo linguista e lexicógrafo Francisco Borba. É o mais brasileiro dos dicionários, tendo pouco além de 103 mil vocábulos. Seu corpus (base de dados construído a partir de um conjunto de textos) é composto de 70 milhões de ocorrências de palavras impressas no Brasil desde 1960. Essa base documental é inovadora em relação a outros dicionários, que geralmente são elaborados a partir de obras preexistentes. Borba consigna os vocábulos no Dicionário Unesp a partir da terceira ocorrência em textos de jornais, revistas e blogues. É um dos poucos que acata, desassombradamente, termos como oportunizar, disponibilizar, otimizar e outros. Prática condenável pelos puristas da Língua, elogiável, porém, da ótica dos consulentes, que se veem servidos por palavras criadas a partir de critérios eminentemente pragmáticos.

 Volp

 É o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, de responsabilidade da Academia Brasileira de Letras - ABL. A entidade é a guardiã oficial da grafia correta de nossas palavras. Havendo discrepância entre o Volp e outros dicionários, prevalece, para fins de concursos públicos e correspondência oficial, o contido no dicionário da ABL. Consta lá, por exemplo, "presidenta", o que "oficializa" o uso do termo. Dicionário Informal É um dicionário de construção coletiva, assim como o Wikicionário, versão dicionarizada da enciclopédia Wikipédia. Nele aparecem termos raramente encontráveis em obras similares, tal como muquifo: lugar sujo e mal frequentado; pardieiro, zona, cafofo, espelunca, lugar porco, casebre. Não encontrando determinada palavra de uso corrente e popular nos dicionários mais conceituados, não deixem de frequentar o Dicionário Informal, que certamente abrigará o exótico termo que se está procurando.

 Dicionário Priberam, Infopédia, Dicionário Web, Nossa Língua Portuguesa, Dicionário On-Line de Português, Dicionário Lusitano, Vocabulário Ortográfico de Português (VOP), Dicionário Criativo, Dicionário de Usos em Frases, Dicionário de Regionalismos, entre outras obras de referências, servem de consulta para pesquisas de largo fôlego.