segunda-feira, 4 de maio de 2015

O poder da cópia – breve ensaio sobre o aqui e o agora


Quando se tem um blog, há dois momentos de crise: quando você checa as estatísticas e constata que você teve duas “olhadelas” no dia de hoje; e quando já passa das 11 da noite e você não tem a menor disposição de sair para pescar internautas por aí. Então, fica o dilema: você precisa girar a roda, ou lançar a isca, mas tempo é a matéria-prima que mais lhe falta. Deixar para depois, nem sempre. Às vezes, quando não dá para dizer exatamente aquilo que se quer, se escreve exatamente aquilo que dá para escrever.
É como um amigo me disse, um daqueles que pulou 7 posições e conseguiu a vaga para consultor da Câmara com uma única redação. “Eu estava diante da prova, achava que não ia dar, vi que não ia dar, e então eu relaxei e decidi, para matar o tempo, ir escrevendo pontualmente algumas coisas que me vinham à cabeça sobre o tema proposto. Era entregar a prova vazia ou isso. Quando eu percebi, a redação estava pronta e eu tive a maior nota”. 



Bem, a história é verdadeira, mas nem sempre corriqueira. Mas a moral é:
1)    relaxa;
2)    caminhe com um passo de cada vez;
3)    organize as ideias, de novo, uma de cada vez;
4)    vá devagar e sempre, ou lentamente seguro;
5)    escreva com concisão sobre o que você sabe;
6)    abra e feche a sua redação
7)    então, está pronto.
Este é um esquema básico para dizer que o mais importante diante de uma folha em branco, é organizar as ideias e perguntar para você da maneira mais simples possível: o que eu quero dizer? Qual é a minha tese? E ela vai te conduzir como uma borboleta pelo jardim do éden das palavras certas, coesas e coerentes de uma redação bem estruturada.
A cada parágrafo, pergunte-se de novo: mas o que eu quero dizer aqui? E diga da maneira mais simples possível, de modo que o seu leitor exclame, no final da leitura: eu sei tudo sobre esse assunto!
Foi o que acabei de responder ao meu irmão, com quem passei o dia revisando um artigo sobre Regime Próprio de Previdência Social. O primeiro texto era hermético e vago como uma caixa preta. Você olha, olha, e ela não te diz nada. No último, respondi para ele: entendo tudo de previdência privada. Fez todo o sentido!
Mas o que isso tem a ver com o aqui e o agora? É que acabo de descobrir o autor do texto “O Poder do Aqui e Agora”e acho que ele ajuda em dois fatores essenciais para quem quer:
1)    escrever bem;
2)    escrever aqui e agora bem.
São eles: concentração, disciplina e uma sensação pura de contentamento. Ao fortalecer a sua narrativa, nunca se esqueça de fortalecer primeiro a determinação e coragem para seguir em frente. E viver o momento presente é a maior presente que temos, em qualquer momento de nossas vidas.
Isto já está escrito num monte de lugares. O difícil é praticar!