segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Impessoal, mesmo que parcial, na dissertação do concurso


Você sabe quantas pessoas compareceriam a uma conferência das pessoas que querem saber a sua opinião? Talvez ninguém. Essa é uma das piadas recentes das redes sociais. Emitir a sua opinião é diferente de apresentar um ponto de vista ou defender um argumento. É isso que se espera de você. Que você diga o que pensa, sim, mas sem tornar o seu texto pessoal. "Eu penso", "acredito", "na minha opinião" são expressões dispensáveis numa redação para concurso. 
Dissertação impessoal no concurso público
Fonte: Internet

Você pode falar sobre escravidão ou na política de varejo sem personalizar a linguagem, sendo apenas mais assertivo. Ou seja, jamais diga: "tenho certeza de que a escravidão representou um período de grande atraso para o País". Tente apenas: "a escravidão representou uma época de atraso no Brasil, por representar uma exploração injustificada da mão-de-obra negra em benefício de uma elite minoritária do Brasil colonial", e por aí vai! Vejam outras dicas legais neste post!

Qual é a saída para ser impessoal e argumentativo? Veja abaixo: "Assim, expressões como “é fato”, “é óbvio”, “é notório”, “pensa-se”, “afirma-se”, “deve-se” ou “devemos”, “conclue-se”, “por fim” dentre tantas outras são valorizadas quando trata-se da dissertação – argumentativa, pois possuem um “tom racionalista do discurso argumentativo” (VIDON, 2012, p.425) . No livro Redação Linha a Linha, Thaís Nicoleti de Camargo (Editora Publifolha) diz que a defesa do argumento é feita por ideias, e não por expressões em primeira pessoa!